quarta-feira, 25 de maio de 2011

PSICOPATAS NO TRABALHO



Participo regularmente do programa Radar Noticioso da minha amiga Marilei Schiavi na Rádio Metropolitana AM 1070 em Mogi das Cruzes. Os encontros acontecem sempre às terças feiras e me dão a chance de falar sobre educação, empreendedorismo, comportamento humano, sustentabilidade e redes sociais. Temas que me sinto bem à vontade e que normalmente me fazem também aprender bastante.
Renata Plaza Teixeira
Há algumas semanas, um encontro que contou com a presença da psicóloga Renata Plaza Teixeira me despertou para estudos sobre novos comportamentos que hoje encontramos nas empresas, clubes, escolas e até entre nossos melhores amigos.
“Saímos de uma geração de neuróticos para uma geração de psicopatas!”, foi o que Renata nos ensinou.
Bullying, assédio moral, regras violadas de acordo com a conveniência, distorções da realidade... As conseqüências estão aí!
Neuróticos são uma conseqüência da educação repressora e cheia de cuidados em que grande parte da “geração X” cresceu. Transformaram-se em adultos nervosos, ansiosos, perfeccionistas, fóbicos, obsessivo-compulsivos, hipocondríacos, histéricos ou seja lá o que for. São chatos, incomodam, mas sabem viver em sociedade, afinal não lhes falta juízo crítico (até muito alto). São repletos de dúvidas, fantasiam demais e se cobram demais também. Seus problemas são mais internos, mais benignos, menos incapacitantes.
Psicopatas, sim, são um problema! Têm o perfil marcado pela ausência de juízo crítico e seu transtorno de personalidade é caracterizado por condutas desajustadas, comportamento inflexível e impulsivo, desrespeito às normas, ausência de culpa, agressividade, mentiras... Sua falta de "sensibilidade emocional" faz com que a pessoa psicopata possa cometer atos insensíveis sem sentir culpa, dó, nem remorsos. Nem todos se tornam criminosos, como o jovem de Realengo ou Suzane von Richthofen, e justamente por isso, podem estar muito mais perto do imaginamos.

Foi isso que a revista Superinteressante do mês de maio de 2011 apresentou em sua matéria de capa. “PSICOPATAS NO TRABALHO. Eles querem dinheiro, poder, um cargo alto. São quatro vezes mais comuns nas empresas do que nas ruas. Cuidado: pode ter um na mesa ao lado.”
A matéria apresenta pérolas do relacionamento corporativo que vão desde “puxadas de tapete”, demissões sumárias, assédios até articulações rumo ao poder. Afirma, ainda, que as empresas perdem US$ 1,2 milhão por ano com fraudes cujos culpados podem ser psicopatas.

Se você quer identificar se existe algum colega na sua empresa com características de psicopatia na mesa ao seu lado, preste atenção às 10 pistas sugeridas na matéria de Maurício Horta:

DEZ PISTAS PARA IDENTIFICAR UM PSICOPATA
Fonte: Without Conscience – Robert Hare

RELACIONAMENTOS:
SUPERFICIAL – Não se importa com o conteúdo, e sim em como vendê-lo.
NARCISISTA – Preocupa-se apenas consigo mesmo.
MANIPULADOR – Mente e usa as pessoas para conseguir algo.

SENTIMENTOS:
FRIEZA – É racional e calculista, pois tem pouca atividade no sistema límbico, centro das emoções como medo, tristeza, nojo.
SEM REMORSO – Não sente culpa. A parte responsável por isso no cérebro tem baixa atividade.
SEM EMPATIA – Não consegue se colocar no lugar dos outros.
IRRESPONSÁVEL – Só se compromete com o que lhe trouxer benefícios.

ESTILO DE VIDA:
IMPULSIVO – Tenta satisfazer as vontades na hora.
INCAPAZ DE PLANEJAR – Não estabelece metas de longo prazo.
IMPRUDENTE – Corre riscos e toma decisões ousadas.

É claro que apenas um psiquiatra conseguiria realizar um diagnóstico correto. Mas, você tem que concordar comigo que se algum colega estiver se comportando assim, está na hora de você acordar.
E existe ainda outro ambiente a observar. Caso sua empresa tenha uma cultura “hard” (pesada) estimulando a competição entre os funcionários e a busca dos resultados a qualquer preço, saiba que esse é o ambiente ideal para que psicopatas coloquem todo seu charme e suas garras a mostra.

Quer conhecer seus principais “xavecos”?!? Vamos lá:

“EU GOSTO DE QUEM VOCÊ É” – Por que funciona: O psicopata mostra admiração pelo talento e pelos pontos fortes da vítima. E passa a ser visto como um dos poucos a reparar verdadeiramente no potencial dos colegas.

“EU SOU COMO VOCÊ” – Por que funciona: O psicopata identifica características da personalidade da vítima e faz de conta que compartilha gostos e interesses.

“SEUS SEGREDOS ESTÃO SEGUROS COMIGO” – Por que funciona: A vítima, achando que está diante de um amigo, abre o coração e conta medos e expectativas.

“SOU SEU AMANTE / AMIGO IDEAL” – Por que funciona: Último estágio da manipulação. O psicopata cria um elo psicológico que promete uma relação duradoura. A vítima já está em suas mãos.

E atenção: esse post não tem a menor intenção de criar pânico. (Somos de uma geração com tendência neurótica, lembram?!?) A idéia é que possamos identificar culturas e pessoas que podem prejudicar o desenvolvimento de nossas próprias competências ou a consolidação de um ambiente efetivamente empreendedor.
Psicopatas corporativos não criam vínculos, não se importam com as relações e querem apenas chegar ao cargo de seus sonhos. Se você se lembrou de alguém, um colega isolado ou um chefe folgado, ou ainda se pensou naquele seu colega tão confiante e carismático que finalmente conseguiu a promoção tão sonhada. Não entre em pânico! Nem todo mundo precisa provar competência de maneira ardilosa, muitos chegam lá estudando, batalhando e lutando todos os dias! Eu ainda acredito nisso!

Se quiser saber mais:

28 comentários:

  1. Concordo. A palavra "psicopata" é pesada e assusta pq a associamos a assassinos violentos, a personagens macabros do cinema etc, mas o fato é que esse tipo de gente há muito por aí. Não chegam ao extremo de matar pq, no mais das vezes, não é necessário, mas são incapazes de calçar os sapatos alheios. Não é pra assustar. É mesmo pra aprender a identificar e se defender, mantendo distância segura. Achei valiosíssimas as dicas sobre os "xavecos", afinal, a abordagem só desanda quando há um confronto direto, algo que o psicopata sabe evitar como ninguém. O mais comum é sermos seduzidos pela promessa de cumplicidade e segurança, um discurso "nós x eles" muito bem costurado. Parabéns pelo post, Naná!

    ResponderExcluir
  2. Minha querida Ana Maria, o seu texto me faz pensar na importância da ética nas relações humanas. A respeito do conceito de ética, eu gosto muito do pensamento do filósofo francês contemporâneo André Comte-Sponville no excelente livro "O capitalismo é moral?": “Moral é tudo o que se faz por dever e ética é tudo o que se faz por amor." O caminho, enfim, é o amor. Excelente texto! Informativo e que nos auxilia a identificar um psicopata no trabalho (a bem da verdade, não só no contexto do trabalho...), permitindo que nos protejamos desse tipo de pessoa. Parabéns! Renata.

    ResponderExcluir
  3. Importantíssima esta abordagem. Há muitos temas que só são incansavelmente abordados, mas ressoam como meramente ilustrativos.
    Na contemporaneidade, parece estar clara a existência de pessoas doentes que, não tendo sido tratadas no devido momento, trazem dor e tormento de variados tipos. E quando a mídia registra isso de modo intenso a explorar todos os ângulos, os desavisados preferem culpar os comunicadores do que efetivamente cobrarem de si —incluindo familiares— e da sociedade a devida atenção, tratamento, instâncias adequadas, bem como as correções necessárias.

    ResponderExcluir
  4. Eu cai na mão de um psicopata, mas só tenho certeza hoje de que tudo isso é real.
    Eu cai no conto dos xavecos...Não coloco minha história aqui porque tenho vergonha de tudo que aconteceu e só quem passa por pessoas assim, como eu é que realmente sabem o quanto é triste.
    Minha vida acabou, perdi o emprego que eu tanto amava, estou fazendo terapia e princípio sinto um desejo de vingança enorme.
    A matéria é ótima, e pena que existem pessoas assim, mas insisto em dizer que perde é só a vitíma porque eles sempre se dão bem.Isso que é injusto !!! E o Deus da justiça onde está ?

    ResponderExcluir
  5. E estes traços são identificados quando estes "fulanos" entram nas empresas!? Ou será que as empresas confundem estes valores com coragem, destemidos, etc. Realmente a sociedade atual está longe de entender o amor e o respeito ao seu próximo!

    William Araujo

    ResponderExcluir
  6. William, seria bom que os envolvidos nos processos seletivos das empresas tivessem noções de psicologia, mais especificamente de psicopatologia, para poderem identificar já de início pessoas com esses traços ou estrutura de personalidade. ...Contudo, o ambiente corporativo muitas vezes é favorável a esse tipo de personalidade, por frequentemente confundirem características psicopáticas com coragem, espírito destemido etc... E, com tal "cegueira", dão "tiros nos pés", como se costuma dizer... Porque pessoas assim têm um potencial altamente destrutivo, que pode prejudicar, e muito, uma organização.

    ResponderExcluir
  7. Meninas,
    Obrigada pelos comentários e contribuições. Acho importante rompermos o medo que algumas palavras geram nas pessoas.
    O fato é que esse comportamento é muito comum (senão, inclusive, estimulado nas empresas) e precisamos abrir os olhos!
    Um beijo e sucesso!
    Ana Maria Coelho

    ResponderExcluir
  8. William, tudo bem?
    Nada melhor do que a própria Renata para te responder, né?!?
    Mediação mais do que competente...
    Um beijo e obrigada pela visita ao Lounge
    Volte sempre!
    Ana Maria Coelho

    ResponderExcluir
  9. Obrigada, Ana!
    Você, como sempre, muito responsável e gentil! Bjo.

    ResponderExcluir
  10. Mto bom isso.
    Sinto isso tb na escola publica onde trabalho, os profs, aonde querem chegar? os alunos tb, visto assim parece q estão em todos os lugares, desrespeito às regras, agressividade,mentiras acontecem na escola e parece td sem sentido, estranho.

    ResponderExcluir
  11. Sim, Jorge... Infelizmente esse tipo de comportamento está cada vez mais frequente... Mas nós, como educadores, podemos contribuir para mudar esse estado de coisas... E a ética é o caminho... O amor tem um grande potencial de cura... Ética e amor estão intrinsecamente ligados...

    ResponderExcluir
  12. Disse o q acontece com os profs na escola publica o q demonstra q ética não existe nesse meio, muita gente pronta a descarregar sua raiva em qualquer oportunidade, gente amargurada, entendo que os alunos sejam assim pela idade, mas professores, isso que acho estranho, não vão ganhar cargo nenhum, o q eles estão disputando?

    ResponderExcluir
  13. Bom o texto. Na hora lembrei do documentário The Corporation, quando traça o "perfil psicológico" da pessoa jurídica. Com certeza isso se relaciona ao modo como elas são dirigidas. Jorge Luiz, eles estariam disputando a mera satisfação do ego, talvez(??)....

    ResponderExcluir
  14. AAh!! Lembrei outra coisa! o documentário que ganhou Oscar esse ano, Inside Job, tb traça o perfil psicológico de corretores financeiros num trecho do filme. Tudo a ver com esse texto.

    ResponderExcluir
  15. Oi, Thiago! Tudo bem?
    Sim, a matéria tem tudo a ver com "Corporation" e com "Inside Job".
    Algumas estatísticas indicam que a probabilidade de haver psicopatas em empresas é quatro vezes maior do que nas ruas. Alarmante!... Mas, a bem da verdade, este fato está de acordo com uma certa lógica vigente em determinados contextos corporativos.

    ResponderExcluir
  16. Querido(a) Leitor(a)
    Vi que não quis se identificar e nem contar muitos detalhes da sua história nas mãos de um psicopata corporativo.
    Não tenha vergonha e nem se sinta culpado!
    Pensar em vingança também não deve ser o melhor caminho, senão vai acabar se aproximando a essa pessoa.
    Uma amiga do Twitter (@maternidadeles) me disse que psicopatas corporativos podem ser responsáveis pela criação de verdadeiros psicopatas.
    Siga em frente! Não entre na mesma energia!
    Com certeza novas oportunidades (ainda melhores) surgirão pra você!
    Um beijo a você!
    Sucesso!
    Ana Maria Coelho

    ResponderExcluir
  17. Sinto que algumas organizações já estejam começando a perceber que nortear suas práticas por valores é questão de sobrevivência.

    ResponderExcluir
  18. Ainda bem, né Pri?!?
    O desafio é tirar os valores do banners e colocá-los em prática na cultura e processos da empresa!
    Beijos e sucesso sempre!
    Ana Maria Coelho
    (Naná para a Pri..eheheh)

    ResponderExcluir
  19. Muito bom, Ana!
    Tá cheio de gente assim por aí e muitos, sem perceber, acabam entrando no jogo. Ótimo texto!

    ResponderExcluir
  20. Oi, Ana Maria...obrigada pelo carinho...
    Mas realmente é mto difícil, e o pior q ainda estou próxima a essa pessoa,e no entando não sei o que pensar. Sempre muito gentil, é até dificíl de saber com quem estou lhe dando. Eu sei q se quiser prejudica-lo eu consigo então acho q é por isso...e nossa história foi além disso.E não consigo não sentir culpa, pq hoje vejo como fui usada. Eu queria esquecer tudo isso, mas não consigo, cada vez parece q ainda entro mais na história.

    ResponderExcluir
  21. Em referência ao comentário postado por alguém que preferiu não se identificar, gostaria de tecer algumas observações. Primeiramente, gostaria de me solidarizar com essa pessoa, que tanto sofreu em função da maldade de um provável psicopata que infelizmente cruzou a sua vida. Sofreu e, pelo que indica a sua fala, ainda sofre. Ninguém está livre de vivenciar uma experiência como aquela pela qual essa pessoa passou. Ela não está sozinha nisso. Daí a importância de matérias como esta formulada pela Ana, que têm a função de informar, alertar, prevenir. O psicopata nem sempre se dá bem. Um dia, a "máscara cai", pois não é possível enganar o tempo todo. E essa pessoa, obviamente, precisa ser devidamente punida pelos crimes cometidos, sendo isso tarefa do Estado. A sociedade, quando constata que alguém é um psicopata, trata de isolá-lo. Eles também perdem emprego, amigos, família. Movidos pelo intenso egocentrismo, muitas vezes preparam a própria armadilha, por não enxergarem para lá de seu desejo. Mas acredito que o mais importante seja aprender com a experiência. E isso o neurótico, vítima frequente do psicopata, é capaz de fazer. Passado o vendaval que corresponde à entrada de um psicopata na vida de alguém, refaz-se a vida e aprende-se a identificar esse tipo de gente e a dele se defender. Isso leva tempo, é claro. A ajuda profissional é importante. O apoio da família, de amigos verdadeiros, também. E não perder a esperança de reconquistar a felicidade. Afinal, a vida não se resume ao que aconteceu, tampouco a essa pessoa destrutiva. Também existe gente amorosa perto de nós. E seria injusto desconsiderar essa gente amorosa por conta das ações de uma pessoa, por mais cruel que tenha sido tal pessoa. Finalizando, gostaria de incluir uma reflexão de Jean-Paul Sartre que julgo ser muito verdadeira: "Não importa o que fizeram de mim, o que importa é o que eu faço com o que fizeram de mim." Muito ainda poderia aqui ser discutido a respeito desse importante tema. Espero ter contribuído de alguma forma para aplacar um pouco a dor de quem sofreu as consequências das ações destrutivas de um psicopata. Espero, também, ter colaborado para expandir a reflexão sobre o assunto. Renata.

    ResponderExcluir
  22. Renata, infelizmente, estamos rodeados deles, e o pior, às vistas das empresas, são tidos como pró-ativos...
    Ao anônimo, quero dizer que tbém já fui vítima de assédio moral e hoje reconheço várias características psicopáticas na personalidade e nas atitudes de quem me prejudicou...
    Na época, fiquei revoltada, indignada, pq. a "pessoa" quis denegrir minha imagem profissional, fruto de 27 anos de trabalho, forjando abaixo-assinados para tentar me demitir, mas graças a Deus, superei o desejo de vingança e direcionei meu foco a um hobby que, em pouco tempo, passou a ser uma nova atividade em minha vida...
    Endosso o que a Renata disse: Não entre na mesma energia e sintonia de quem te prejudicou...
    Acredite no teu potencial, na tua força interior para superar o constrangimento pelo qual vc. passou...
    Que Deus te ilumine!

    ResponderExcluir
  23. Gostei dos comentarios,tendo em vista que a doença do século é a mental.
    Todos os dias nos deparamos com pessoas com esses problemas, atraves de comportamentos que não condiz com uma sensatez logica,aqui na loja temos o apoio de uma pscicologa. Seria muito bacana se todas as empresas contasse com isso

    ResponderExcluir
  24. As empresas não estariam incentivando inconscientemente a contratação de empregados psicopatas? Parece que a atitude do sociopata é ideal no mercado altamente competitivo.

    ResponderExcluir
  25. Maurício, isso tem nome: capitalismo selvagem. E é uma coisa antiga! Gostaria de conhecer iniciativas baseadas em outros princípios.
    Existe uma associação chamada ANTEAG - Associação Nacional dos Trabalhadores de Empresas em Auto-Gestão.
    Até onde sei, nas empresas com essa política, as decisões são tomadas via democracia direta, ou seja, por consenso. Não conheço nenhum caso particular, mas seria um interessante estudo: como será o impacto desse tipo de postura no psicológico dos trabalhadores? Alguem já ouviu falar sobre isso, conhece algum caso? Por outro lado, as discussoes sucitadas pelos documentarios citados acima mostram uma necessidade de impor limites externamente às empresas, por parte de um Estado democrático, para não serem tão predatórias...pq se deixar, é isso que vemos aí. Enfim, vários caminhos. Mas a presença de psicólogos numa empresa já ajudaria bastante.

    ResponderExcluir
  26. podia coloca como um psicopata conseguem ficar na escola o ano todo

    ResponderExcluir
  27. pessoas assim existem, na empresa onde trabalhava, eles me chamavam de criatura estranha,mas nunca me importei, eles me davam nojo.

    ResponderExcluir
  28. Muita empresa escolhe a dedo psicopatas para compor seu quadro de funcionários,porque,este é um verdadeira arma contra o colega que anseia crescer,criar limo na empresa,e a maioria não tem interesse por encargos trabalhistas,etc..Nessa hora o psicopata entra em ação assediando ético/moralmente,mina a resistencia até o alvo sucumbir.Muita enfermeira assedia moralmente médicos em municípios do interior de todo país com o respaldo de secretários de saúde,coordenadoras de saúde e prefeitos,porque,não querem médicos por muito tempo.. No máxmo seis meses e madam embora,mas,não dão baixa no sistema do seu nome e CRM;recebem todo mes como se o médico ainda trabalhasse lá.A mídia explora,e muita vez tendenciosa divulga que médicos não querem ir para o interior,porém,a verdade é outra.Médicos querem ir onde tem trabalho,mas que haja respeito!!Além de pagarem mal,o vínculo é precarizado e com seis meses o dispensam.É repugnante o comportamento desses prefeitos,as enfermeiras(os)do Programa de Saúde da Família (PSF),acredito que 99% sao psicopatas. Invejosas,frustradas,rescentidas rancorosas, gananciosas,usuráveis,atuam,sobretudo,contra médicas,com denunciaçaoes caluniosas, intimidaçoes,constrangimentos,usurpam o trabalho médico passando-se por médicas,exercem ilegalmente a medicina,pondo em elevado risco a saúde da populaçao.A questao é que tem muitos médicos e médicas reagindo na justiça e até com agressao física contra esses enfermeiros(as) monstros,porém,a mídia está abafando o caso creio que a pedido do governo,pra nao haverem especulaçoes.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário.
Ficarei feliz em conhecer sua opinião...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Preferidos do Lounge Empreendedor