quarta-feira, 22 de junho de 2011

NETWORKING e LINKEDIN


Na última semana, fiquei muito orgulhosa quando o Marcio Salles da Edelman Brasil me convidou para dar comentar sobre as diferenças entre o networking das mulheres e dos homens na rede, especialmente no LinkedIn.
Não sou especialista em LinkedIn - utilizo apenas como usuária - e confesso que já deixei passar alguns convites para seleções de novos empregos por pura "falta de atenção" aos chamados na rede. (Ok. Podem me dar uma bronca).
A pauta estava relacionada a uma pesquisa feita na base de dados do LinkedIn que mostra áreas de atuação e empresas em que homens e mulheres possuem mais conexões. (Vou publicar a pesquisa também. Calma!!!)
Optei por utilizar minha experiência no desenvolvimento de carreira com alguns coachees (profissionais que acompanho para o desenvolvimento de competências) e também, dados dos relatórios do EMPRETEC para produzir o texto.

É claro que ele não foi utilizado na íntegra, mas faço questão de partilhar integralmente com meus amigos do Lounge Empreendedor. Tenho certeza que pode ser útil para reavaliarmos nossa própria forma de ampliar e cultivar nossa rede de contatos. 
Espero que gostem! Opinem, critiquem e deixem suas opiniões.

GUERRA DOS SEXOS


O livro “Boas Meninas não Viram Chefes” da psicóloga americana Lois Frankel enumera alguns pecados cometidos por nós, mulheres, que podem atrapalhar no desenvolvimento de nossa carreira. Entre eles, está o fato de que normalmente trabalhamos demais para provar nossa própria competência e nos descuidamos da rede de contatos.
É muito comum encontrarmos mulheres que dizem ter muita facilidade em estabelecer novos contatos, mas que logo os mesmos se perdem por falta de interação. Conhecemos muita gente, mas nos relacionamos muito pouco com elas.
Entretanto, se queremos mesmo conquistar maior espaço no mercado, é preciso saber que empreendedoras e executivas de sucesso devem estar sempre em contato com o maior número de pessoas possível e ter a capacidade de identificar nessas pessoas pontos chave para multiplicar nossa base de ação e realização.
Mulheres sempre foram mais sociáveis no dia-a-dia, sempre fizeram “networking pessoal”, mas agiam pouco para desenvolver e manter relações comerciais. Utilizei o verbo no passado propositalmente, pois de forma geral, acredito que esse comportamento vem se modificando.
Algumas mulheres ainda têm dificuldade para utilizar estratégias deliberadas de influência e persuasão sobre seus pares e não sabem reconhecer em sua própria rede, pessoas-chave (elos) que serviriam como agentes para atingir seus próprios objetivos. Outras ainda procuram seus contatos somente quando precisam de algum favor, sem considerar que networking deve ser mais do que uma relação de interesses, mas também de confiança, aprendizado, conversa, envolvimento e discussão de assuntos de interesses comuns.
Tenho visto (e participado de) muitos grupos de mulheres formados através de redes sociais orientados a diversos temas, desde negócios até troca de informações sobre maternidade, leitura, relacionamentos ou cinema; o que evidencia nossa faceta inata de comunicação e multifuncionalidade.
As redes de contato femininas se dão de forma mais ampla do que entre homens que são mais restritas a determinados assuntos. Entre nós, o assunto pode começar em empreendedorismo, passar por dieta, maquiagem, cuidado com filhos e televisão sem que isso incomode as demais integrantes.
Acredito que o sucesso da manutenção das redes femininas está na identificação do ponto de interesse comum e no estabelecimento de encontros/contatos periódicos que alimentem tal interesse e fortaleçam os laços que unem as pessoas. Afinal, muitas de nós substituímos a atenção de filhos e família para fortalecer algum contato especial em rede.
Se o networking começar de forma virtual, sugiro que sejam marcados encontros presenciais para que as pessoas sejam colocadas em contato umas com as outras; o olho no olho sempre gera maior empatia e confiança.
Além disso, algumas ações são básicas, independente do gênero:
Não encare o networking como um compromisso de “agenda”, crie identidade e laços afetivos, faça ligações despretensiosas, mantenha a lista de contatos atualizada (se possível, com data de aniversário), fale menos, ouça mais e seja autentico e honesto. Você não precisa criar novos “amigos de infância”, mas pode conhecer pessoas que farão parte de um longo período de sua vida.
Uma boa rede de contatos requer atenção de Pequeno Príncipe, afinal "tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas", certo?

No próximo post, você pode ver o release e o conteúdo da pesquisa completa.

Um comentário:

  1. Hі thегe everyоnе, it's my first visit at this site, and post is truly fruitful for me, keep up posting such articles or reviews.

    Also visit my homepage ... www.prweb.com
    my website > hydrolyze reviews

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário.
Ficarei feliz em conhecer sua opinião...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Preferidos do Lounge Empreendedor