quinta-feira, 22 de setembro de 2011

INOVAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE


NEM TODO EMPREENDEDOR NASCE SABENDO

A questão da inovação no Brasil passa por gargalos previamente conhecidos: infraestrutura, baixa qualificação profissional, insegurança jurídica, burocracia excessiva e oscilações dos programas de incentivo que ainda têm foco muito limitado à transformação industrial.
Pensar nos processos de inovação para a sustentabilidade passar por desmistificar o conceito de inovação restrita ao campo da tecnologia. Sustentabilidade aos pequenos negócios nada mais do que garantir sua competitividade ao longo do tempo pensando nos aspectos econômicos, sociais e ambientais. Inovação, por sua vez, relaciona-se a decisões e ações incrementais aos processos ou produtos do negócio de forma a agregar valor à forma como inicialmente tal processo era realizado.
Só isso? Claro que não. Mas isso já pode fazer muita diferença ao seu negócio.
É preciso sensibilizar as pequenas empresas sobre o seu papel, possibilidades e sobre a criação de novos mercados e negócios voltados não apenas a ganhos econômicos, mas também a ganhos sociais e ambientais. Negócios com visão de sustentabilidade ganham competitividade no mercado global.
Para isso, toda a cadeia de produção deve estar envolvida em uma nova forma de relacionamento e gestão. Sua empresa, fornecedores e parceiros já estão adequados ao novo código florestal? De que forma realizam a destinação de seus resíduos? As questões de eficiência energética são consideradas nos processos de definição das suas estratégias?
Muitos empresários ainda acreditam que para responder tais questões é necessário ter grandes laboratórios dentro de suas empresas, equipes de engenheiros e doutores em centros de pesquisa ou promover inovações de ruptura lançando produtos e processos revolucionários para o mercado. Mas não é bem assim.
Atender as questões da sustentabilidade através de processos de inovação estruturados pode ser muito mais simples. Você pode utilizar, por exemplo, as instalações de universidades por meio de parcerias, pode comprar tecnologia no exterior e até mesmo copiar inovações de concorrentes. Essas iniciativas também são inovação!
A compra de equipamentos mais modernos e que produzam a custo menor é inovar tecnologicamente, assim como é inovação alterar o lay out de uma fábrica ou melhorar o design de um produto. Se você conseguir realizar tais melhorias com foco na sustentabilidade certamente criará um importante diferencial competitivo ao seu próprio negócio. Novas tecnologias só devem ser implantadas após uma consistente verificação do ambiente interno e do mercado. Por melhor que seja sua idéia ou proposta de inovação tecnológica, ela deve ter relação direta com o atendimento de demandas do mercado gerando, então, uma inovação mercadológica cujo resultado garantirá a inovação sustentável ao seu próprio negócio.
Não tenho dúvidas de que falamos em uma mudança muito mais cultural do que simplesmente tecnológica. Inovar, ser competitivo, ter lucro e ao mesmo tempo ser responsável e estar preocupado com questões sociais e ambientais são idéias cercadas de desafios. Desafios no curto, médio e longo prazos.
Criar processos de inovação para a sustentabilidade dependerá muito das opções e escolhas que fazemos dentro e fora das empresas. Pesquisas transgênicas, biossegurança, registros de patentes, segurança alimentar, matriz energética renovável, consumo consciente. Espaço não falta no cenário empresarial...
Se você deseja marcar sua presença no mercado e liderar a transição para uma nova economia de baixo carbono será preciso conhecimento, ousadia e uma certa dose de coragem para se transformar e (re)criar o novo.

4 comentários:

  1. Ana Maria, parabéns pelo artigo! É preciso empreender, inovar, crescer fazendo acontecer, mas não só pensar no curto prazo. O verdadeiro empreendedor pensa a médio e longo prazo, e isso significa ser sustentável ao longo do tempo - não só como empresa, mas também com consciência de que está atuando e afetando todo um ambiente social, econômico, político, tecnológico e da natureza que o cerca. Um grande abraço, @neigrando

    ResponderExcluir
  2. Ana Maria, parabéns pelo artigo! É preciso empreender, inovar, crescer fazendo acontecer, mas não só pensar no curto prazo. O verdadeiro empreendedor pensa a médio e longo prazo, e isso significa ser sustentável ao longo do tempo - não só como empresa, mas também com consciência de que está atuando e afetando todo um ambiente social, econômico, político, tecnológico e da natureza que o cerca. Um grande abraço, @neigrando

    ResponderExcluir
  3. Concordo plenamente com o artigo postado. Os micro empresários apesar de pequenos podem fazer MUITA diferença.
    O Curso CPM por exemplo, em 2010 decidiu investir em camisetas feitas de garrafas pet para divulgar sua marca e comemorar 1 ano de atividades. Foi uma experiência interessante e positiva. Professores e alunos gostaram e nos sentimos bem. Outra medida foi diminuir sensivelmente o uso do papel e passar a digitalizar ao máximo as informações do Curso CPM. Além de minimizar custos e trabalho, nos tornamos mais sustentáveis e de bem com a natureza. Mas ainda há muito mais a fazer...

    Sônia Mello
    Curso CPM
    www.cursocpm.com.br

    ResponderExcluir
  4. Muito importante essas idéias, cada vez comsigo aprender um pouco com tais aprendizados e muita descoberta no setor de empreededorismo.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário.
Ficarei feliz em conhecer sua opinião...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Preferidos do Lounge Empreendedor